segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Encaminhamentos aos movimentos sociais concretos

Nenhum comentário
Muitos movimentos sociais acabam por se tornar estáticas socias. Por vezes, se importando demasiado com o que já se fez. Por outras, se encantando demasiado com o que se possa fazer. Desse modo, o que era um movimento de um passado rumo a um futuro, torna-se estático no presente. Dois exemplos óbvios: o primeiro é a situação estranha de movimentações paradas devido as férias universitárias; o segundo é o desaparecimento de pautas sociais devido ao governo de um determinado partido, ou aliado. Enquanto tiramos férias ou nos acomodamos em algum tipo de esperança, a hegemonia contrária à nossa soberania social não para, nem descansa. Daí quando menos percebemos já estamos vivenciando a sensação de que estamos eternamente correndo atrás, ao mesmo tempo, em que sentimos que a marcha dessa hegemonia parece jamais dar um passo atrás. Para que não sejamos nossos próprios sabotadores, segue um encaminhamento nascido de nossas experiências:
  1. Prevenir-se contra a facilidade da auto-ilusão. É comum, pessoas chaves em movimentos sociais, estancar uma coletividade inteira devido à frustração de sua extrema expectativa por reconhecimento;
  2. Uma pauta de reivindicação, pela mais justa que possa parecer, não é garantia de resultados certos. O obscurantismo das "boas relações" entre autoridades e agregados, o mascaramento público das pretenções particulares e as engrenagem invisíveis das leis sempre sujeitas às "interpretações" jamais serão surpresas;
  3. Uma reivindicação personificada jamais expõe as faces e os desdobramentos necessários para o bom desenrolar da pauta reivindicada. A maior ou a menor simpatia por uma pessoa ou outra sempre deixa em nível muito baixo a discussão sobre os fundamentos, as propostas, as ações e as decisões sobre o assunto;
  4. A movimentação social não é um hobby, nem algo para ser realizada nos tempos livres. Não é segundo plano. Está fundida na experiência diária. Se prospera na adversidade. Visualiza dificuldades para serem suprimidas. Se luta para que batalhas sejam vencidas. Assim como vivemos a vida;
  5. Nem subestimar, nem superestimar os interlocutores. Novas perspectivas sempre podem ser descobertas. Avaliar, classificar, rejeitar, eleger, remodelar e ordenar motivos, razões, interessese e argumentos;
  6. Estudar e aprofundar os problemas e as possíveis soluções. Assim alcança-se a visibilidade dos vários interesses que estão em jogo, se identifica quem e quais grupos estão empenhados em tarefas aliadas ou contrárias, e as razões que sustentam os argumentos prós e contras à movimentação social em questão.
Movimento social é coisa séria, porém do mesmo tipo de seriedade empregada pelas crianças em suas brincadeiras. É também jogo erotismo e lúdico, assim como o descrito pelo Kama Sutra. Todas as esferas erógenas de nossa vida estão envolvidas em tempo integral e dedicadas com exclusividade à esse modo particular de viver. Política e prazer refinadamente juntos. Pois, "sem tesão não há solução", como dizia Roberto Freire.

Nenhum comentário :